Instituto Soja Livre

Instituto Soja Livre apresenta variedades convencionais na Show Safra, em Lucas do Rio Verde (MT)

Evento ocorre de 17 a 20 de março e mostra aos produtores rurais as vantagens de produtividade e manejo da soja não transgênica

O Instituto Soja Livre (ISL) apresenta aos produtores rurais de Lucas do Rio Verde e região treze variedades de soja convencional que estão disponíveis ou em teste para serem utilizadas em Mato Grosso. Elas estão à mostra durante a Show Safra 2020, que é realizada em Lucas do Rio Verde de 17 a 20 de março, na Fundação Rio Verde. Essas variedades representam cerca de 80% das cultivares de soja não transgênica produzidas no Estado.

O presidente do Instituto Soja Livre, o produtor rural e agrônomo Endrigo Dalcin, afirma que a Show Safra é um dos maiores eventos técnicos de Mato Grosso em uma região das mais relevantes do Estado.

“Há indústria que faz farelo de soja convencional, temos o escoamento de outras empresas pela BR 163 para Miritituba. Por isso, é importante o ISL estar presente para divulgar seus materiais e também conversar com o produtor rural. Temos uma questão importante relacionada à precificação menor para esta região, então vamos conversar para tentar melhorar esta condição de negócio”, afirma.

O evento mostrará as variedades desenvolvidas pela Embrapa (BRS 6980, 7980, 8381, 8581, 6680 e 7481), Agronorte (AN83 022sc, AN89 109sc, COMP 56, COMP 46 e COMP 8) e TMG (TMG 4182 e 4185).

De acordo com João Rodrigues Neto, coordenador de negócios da empresa Caramuru, associada ao instituto, há quatro cultivares que são as mais utilizadas na região da BR 163: BRS 8381, AN83 022sc, AN89 109sc e TMG 4182.

“A TMG 4182 tem ampla resistência a nematoide de cisto e é muito usada como ferramenta para manejo do solo, a BRS é da região, tem um bom melhoramento genético e adaptação. Já a AN83 022sc tem a maior fatia de mercado, responde por 70% do que é cultivado na região da BR 163, com ciclo de 118 dias. A COMP 56 tem ciclo mais tardio, e a COMP 8 já demonstrou estabilidade, precocidade de 108 dias e produtividade, em média 72 sacas por hectare. Ambas são materiais em desenvolvimento pela Agronorte Pesquisas e Sementes, que também é associada do ISL. A pesquisa é contínua para levar melhores materiais para os produtores rurais” afirma João Rodrigues Neto.

Atualmente, estimativas do Imea indicam que do total de 33 milhões de t de soja produzidos em Mato Grosso, 8% são de soja sem transgenia. Segundo o diretor financeiro do Instituto Soja Livre, José Del, a soja livre de transgênicos tem mercado e a tendência é aumentar a demanda. “Agrega valor ao produtor com prêmios que são aplicados sobre o preço pago pela saca”, explica.

 

Assessoria de Imprensa:
Thielli Bairros (65) 9 9631.6668
[email protected]